Buscar
  • Larissa Ferraro

O PECADO QUE ACHEI QUE NUNCA IRIA COMETER


"A sexualidade parece ser encarada pela igreja como uma área menos

perigosa para a mulher, parece que não somos também tentadas, que as

sugestões também não aparecem para nós a todo momento, seja na internet,

na música, nos filmes. Parece que as mulheres serão apenas românticas.


O título desse texto não se deve ao fato de que nem sempre enfrentei

pecados sexuais, mas ao fato de que nunca achei que eles me levariam onde

me levaram. O pecado te emburrece ao ponto de não deixar você perceber que

ele te levará ao fundo do poço, o orgulho diz que você conseguirá se controlar

e só irá até certo ponto, diz que você é forte pra isso, ou que você é melhor do

que as pessoas que cometem determinados pecados, afinal você não chegará

num nível tão profundo de depravação.


Sou uma jovem que serve na igreja, que vive em comunhão com os

irmãos, que escuta uma pregação fiel às escrituras e que faz parte de uma

igreja saudável. Entendo que devemos viver uma luta constante contra o

pecado, mas eu relaxei nessa luta, eu subestimei a presença do pecado em

mim e o que Deus diz em Sua palavra sobre buscá-lo constantemente.


Não é novidade para ninguém que os solteiros, por vezes, enfrentam

ansiedades a respeito do casamento, como: Será que eu vou casar? Quando

será isso?Será que alguém realmente se interessará por mim? Também

acreditamos em mentiras como: casamento é um nível maior de felicidade;

casamento é uma recompensa para quem se mantém em santidade.


Por toda a minha vida cristã, tenho lutado contra a idolatria do casamento, contra

as mentiras sobre ele e contra a ansiedade para viver esse momento. No

entanto, vivemos em um contexto onde relacionamentos são estimulados a

toda hora, como se você fosse alguém totalmente estranha caso nunca tenha

tido um. A mídia nos assedia a toda hora com cenas romaticas e eróticas,

vemos toda aquela entrega e a desejamos. Também escutamos sobre os

prazeres entre um homem e uma mulher nas letras das músicas, nas

propagandas. Eu tinha consciência do quanto romantizava a ideia de

casamento, mas nunca pensei que ficar idealizando um relacionamento me

levaria a cometer pecados sexuais. No entanto, foi isso que aconteceu.

Comecei a ter pensamentos que me levaram a, cada vez mais, querer satisfazer o desejo sexual. Eu nunca achei que cometeria pecados específicos que cheguei a cometer. Acredito que as pessoas ao meu redor também não cogitem que luto contra esse tipo de pecado. Tenho a impressão de que a igreja não pensa que moças solteiras ou até mesmo mulheres casadas lutam contra pecados sexuais, pois nunca é tratado sobre isso em estudos, palestras, pregações.


Minha vontade é perguntar: O que vocês acham, que não somos

tão depravadas ao ponto de também perverter essa área da nossa vida? Por

que não ensinar sobre isso, por acaso somos imunes a pecados sexuais?

Somos mais santas por sermos mulheres e estarmos na igreja? A resposta

para essas perguntas, obviamente, é não, não somos mais santas, muito

menos imunes e somos tão caídas quanto os homens.


Eu acredito que Deus fez o sexo como algo santo e bom para o casamento, mas nós, como pecadores miseráveis que somos, sempre temos a capacidade de idolatrar e

tornar impuro algo lícito que Deus fez para ser bom a seu tempo. Meu intuito

com esse texto é fazer um apelo: não negligenciem essa área na vida das

mulheres, solteiras principalmente. Se é um assunto delicado, tratem com

sabedoria, mas não deixem de tratar, pois podem haver irmãs do seu lado

lutando contra isso e que acham que estão sozinhas."


Texto de uma jovem cristã como muitas que sentem ao seu lado na igreja... pense nisso.



720 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo